Script Macromedia Flash
   
Topo 1
Topo 2

Eleição dos Órgãos Sociais da Sociedade Portuguesa de Pediatria

LogoSPP

As eleições dos Órgãos Sociais da Sociedade Portuguesa de Pediatria para o triénio 2013-2016 decorreram no passado dia 4 de outubro, na Assembleia Geral Eleitoral. Conheça aqui a composição e o projeto da nova Direção.

 
 
Discurso Inaugural da Presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria
 
Discurso realizado a 04 de outubro de 1013, após a Eleição para os novos Corpos Sociais para o Triénio 2013-2016
 
Cumprimento a Dra. Ana Luísa Teixeira, Presidente da Assembleia Geral em exercício, Maria João Virtuoso, Vice-Presidente e André Graça, Secretário da Mesa da Assembleia Geral,
Caros Colegas e Amig@s,

Será missão do grupo, agora eleito para os corpos sociais da Sociedade Portuguesa de Pediatria, prosseguir com projectos na continuidade de Gonçalo Cordeiro Ferreira, Luís Januário e António Guerra. 

Outros colegas tiveram ou têm um papel de referencia na SPP e apenas por economia do discurso e não por mérito menor, me abstenho de os nomear.

A Sociedade Portuguesa de Pediatria, fundada em 1948, fez este ano 65 anos de existência. Dez anos antes, em 1938, tinha surgido o primeiro número da Revista Portuguesa de Pediatria. 

Reuniões e Jornadas diversas permitiram a reunião e o debate de destacadas figuras nacionais e internacionais da Pediatria, mas foi em 1952, ou seja, há 61 anos, que ocorreu o 1º Congresso Nacional de Protecção à Infância, que teve lugar em Novembro, e que foi reportado como um grande acontecimento.

 E o relato histórico, inscrito na pagina digital da Sociedade Portuguesa de Pediatria, segue: "durante 3 dias, cerca de quatro centenas de pessoas entre as quais se encontravam médicos, professores, sacerdotes, juristas, trabalhadores sociais, etc. - puderam apresentar as suas opiniões e fazer as críticas que julgaram oportunas, num perfeito ambiente de compreensão e interesse. Foi um Congresso em que não houve recepções, passeios, festas e contudo a concorrência às sessões foi sempre numerosíssima. Trabalhou-se muito e com acerto“.

E a Prof. Maria de Lourdes Levy continua com a seguinte reflexão: “De facto, este Congresso apresenta-se-nos agora, a mais de 30 anos de distância, como uma primeira tentativa, nunca mais repetida, de reflexão em conjunto, dos responsáveis pela saúde da criança, em Portugal, numa perspectiva de saúde global tal como hoje é entendida pela OMS. Foi um momento grande na História da Sociedade Portuguesa de Pediatria; muitas das suas conclusões serviram de base a “determinadas“ “resoluções superiores“ ; outras, “embora mantendo-se actuais, nunca foram concretizadas“.

Nessa altura, décadas de 50 e 60 do século passado, as prioridades em saúde infantil centradas, entre outras, na redução da mortalidade infantil, estruturaram-se em programas com os resultados que são conhecidos.

Desde então a SPP tem mantido o espírito colegial em praticamente todas as acções que tem empreendido, e a sua missão tem persistido centrada na promoção da saúde da Criança, objetivo que cumpre através da promoção da ciência e da investigação, da educação, da defesa da criança e dos profissionais e na criação de oportunidades de comunicacao e de sinergias com impacto na qualidade de cuidados de saúde.

Entre as actividades da Sociedade estão a realização do Congresso Nacional,na 14ª edição anual desde há 7 anos, e  que atingiu este ano o valor histórico de 1100 profissionais inscritos. Os Congressos Nacionais e os cursos de formação pós-graduada, resultado dum esforço conjunto da SPP e das suas sociedades e Secções, têm tido como objectivo a criação dum espaço estruturante, promotor do conhecimento e da inovação, do treino em tecnologias e do profissionalismo. O Congresso é o palco onde se da visibilidade a trabalhos científicos, através da sua discussao mas também da atribuicao de prémios e bolsas que têm como objetivo explícito a promoção da diferenciação em Medicina da Criança.

Num Mundo dinâmico e global, em que as prioridades em saúde sofrem mudanças rápidas, há necessidade de roteiros que apontem direcções e definam prioridades. É imprescindível o envolvimento de todos os parceiros empenhados na criança: médicos, familiares de doentes, indústria farmacêutica e técnica, potenciais financiadores de investigação, reformadores de políticas, sociedades e associações.

A Sociedade Portuguesa de Pediatria tem um papel crítico na promoção da convergência de acções relacionadas com a criança, no olhar atento e na comunicação para o exterior. A actualidade distingue-se pelo facto de existirem pressões externas e internas que ameaçam a sustentabilidade dos sistemas e dos costumes. Numa época como esta, a criatividade e a adaptação são cruciais.

A recentemente criada Comissão de Internos assume um papel crítico na edificação do futuro. Precisamos treinar as futuras gerações de líderes em medicina da criança. A participação activa dos jovens colegas nas actividades da sociedade e na formação do seu futuro é crucial, e garante de uma sociedade viva e atenta às necessidades dos seus membros.

A Sociedade Portuguesa de Pediatria está confiante que com a preparação para a mudança, o engenho e a cooperação próxima com todos os parceiros (Comissões, Colégio da OM, órgãos governamentais, etc), a comunidade pediátrica conseguirá ultrapassar as dificuldades de financiamento, criar prioridades de investimento e encontrar soluções inovadoras que beneficiem a Criança e toda a Sociedade.

A Sociedade Portuguesa de Pediatra necessita do contributo de todos.

Contamos convosco!